Editorial do jornal O Globo menciona relatório de auditoria do TCMRJ sobre condições de viadutos

ATUALIZADA EM 19/11/2019

"O alerta foi dado. Um relatório do Tribunal de Contas do Município (TCM) apresentado em 6 de novembro chamou a atenção para a precária situação de viadutos, pontes, passarelas, túneis e passagens subterrâneas do Rio. Segundo o estudo, de 2018, sete estruturas (quatro viadutos e três passarelas) poderiam até desabar. Quatro delas permanecem com problemas até hoje. É o caso da Ponte Velha da Joatinga, na Barra da Tijuca, que tem vigas comprometidas pela corrosão e deveria ser interditada.

De 28 estruturas vistoriadas pelo TCM, 22 precisam de reparos urgentes. O relatório levanta a possibilidade de queda, sobre as vias ou pessoas, de placas cerâmicas e pedaços de concreto que podem se desprender do teto, causando graves acidentes. O órgão recomenda avaliação técnica mais detalhada para decidir sobre possíveis interdições.

A situação dos viadutos foi considerada a mais grave, à medida que, dos 14 vitoriados, 12 necessitam de obras imediatamente. Um deles é o Engenheiro Oscar Brito, em Campo Grande, que tem pontos sem reboco e rachaduras nas pistas. No Mestre Cartola, próximo à quadra da Mangueira, as precárias condições de conservação são visíveis. Em vários pontos, ferragens corroídas estão à mostra.

Mesmo estruturas que receberam obras já apresentam desgaste. A passarela em frente à Estação Del Castilho do metrô, por exemplo, foi reformada, mas exibe fissuras. E as soldas feitas nos degraus metálicos estão enferrujadas.

Como mostrou reportagem do GLOBO, este ano o município só previu R$ 653 mil para reparo de equipamentos urbanos, tendo gasto até agora R$ 439 mil.
Considerando que a cidade tem cerca de mil estruturas, entre pontes, viadutos e passarelas, cada uma teria só R$ 653 para reparos.

O alerta do TCM não deve ser desprezado. Em São Paulo, parte do Viaduto do Jaguaré, na Marginal Pinheiros, cedeu na madrugada de 15 de novembro do ano passado. Poderia ter sido uma tragédia, mas felizmente o acidente não deixou vítimas, já que o fluxo de veículos era baixo no momento em que a estrutura se rompeu (por volta das 3h). Porém, o transtorno para a população foi grande ? a pista só foi liberada depois de quatro meses de obras.

É elogiável o trabalho do TCM ao traçar o diagnóstico sobre pontes, viadutos, passarelas e túneis, mas ele precisa ter continuidade. Estruturas em pior estado merecem atenção imediata da prefeitura. Convém lembrar que tragédias não têm data para acontecer e tampouco seguem a agenda de burocratas e políticos, que imaginam ter todo o tempo do mundo para lidar com situações emergenciais. O resultado da negligência costuma ser catastrófico."

Texto extraído do Jornal O Globo, de 15/11/2019.

Confira também a reportagem que foi ao ar no RJ TV, em 6/11/2019: https://globoplay.globo.com/v/8066254/programa/

 

Editorial do jornal O Globo menciona relatório de auditoria do TCMRJ sobre condições de viadutos