TCMRJ quer calcular efeitos socioeconômicos do atraso do BRT Transbrasil

ATUALIZADA EM 16/04/2019

Obras públicas paralisadas ou atrasadas não geram somente consequências econômicas. Seus efeitos colaterais vão muito além do que se pode quantificar; os custos sociais e outras variáveis implicados em projetos não concluídos dentro do previsto também são significativos. Com esse entendimento, o TCMRJ iniciou uma auditoria operacional para avaliação dos impactos socioeconômicos decorrentes do atraso na execução das obras do corredor BRT Transbrasil.

Em fevereiro deste ano, a 2ª IGE, especializada em obras públicas, iniciou o planejamento da auditoria, organizando sua matriz e reunindo a documentação solicitada à Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação e à Subsecretaria de Engenharia e Conservação. O dia 15 de abril marcou o início dos trabalhos, quando os auditores Rômulo Ferreira da Silva e José Renato de Oliveira reuniram-se com os representantes desses órgãos para explicar o escopo da auditoria e quais informações serão úteis para compor o quadro de forma abrangente.

Dentre os inúmeros impactos gerados pelo perdurado tempo em que a obra se mantém incompleta, os auditores irão calcular as consequências da redução da via expressa em razão dos canteiros ali instalados e dos blocos de concreto que limitam a área, causando congestionamentos e acidentes diários e sobrecarregando ruas circunvizinhas, que não foram projetadas para o fluxo de automóveis que passaram a receber. Outro entre os fatos a serem analisados será a migração de cerca de 200 usuários de crack para as áreas abrigadas da construção, onde permanecem quando não há movimentação de operários.

"O objetivo principal é mostrar a importância de finalizar essa obra, situada num corredor viário extremamente crítico para a cidade", explica José Renato de Oliveira, que estará envolvido nessa missão até o final deste semestre, ao lado dos também auditores de controle externo da 2ª IGE Rômulo Ferreira e Renata Baptista.

A Avenida Brasil, com seus 58,5 quilômetros de extensão, corta 26 bairros da cidade e tem o status de mais importante via expressa da cidade e maior avenida em extensão do país. A expectativa é de que, quando concluído, o BRT atenda 900 mil passageiros por dia. A obra era uma das promessas de legado dos Jogos Olímpicos de 2016.

TCMRJ quer calcular efeitos socioeconômicos do atraso do BRT Transbrasil