Asfalto da Transbrasil está na mira do TCMRJ e da Coppe

ATUALIZADA EM 22/03/2019

O TCMRJ e a Coppe, maior centro de ensino e pesquisa em engenharia da América Latina, voltaram a campo para avaliar a qualidade do asfalto empregado na obra do BRT da Transbrasil. Desta vez, auditores da 2ª IGE, especializada em fiscalização de obras públicas, e o pesquisador Marcos Fritzen, iniciaram a visita técnica na usina de asfalto contratada pelo consórcio responsável pela obra.

"Estamos verificando a execução do pavimento, desde a usina de asfalto até sua aplicação em campo e acompanhando seu controle tecnológico. Serão recolhidas pela Coppe amostras individuais dos materiais para realização em de ensaios complementares no laboratório", explicou a inspetoras-geral da 2ª IGE, Simone Azevedo, durante a visita técnica.Da usina, em Duque de Caxias, a equipe seguiu o caminhão com o asfalto pronto até o trecho da Avenida Brasil que está sendo pavimentado, verificando de perto a aplicação da massa.

"As amostras coletadas indicarão se as propriedades do asfalto, como granulometria e teor de ligante, por exemplo, estão de acordo com o indicado no projeto. A temperatura da mistura, registrada na usina e no local de aplicação, e o tempo transcorrido entre a usinagem e a aplicação da massa asfáltica em campo também estão sendo aferidos", disse a auditora de controle externo da 2ª IGE, Renata Teixeira Baptista.

No dia seguinte, foram colhidas amostras complementares para avaliação dos parâmetros que estão sendo adotados pelo projeto básico da obra, entre os quais espessura e grau de compactação, que determinam a qualidade do asfalto.

"É importante salientar que, para cada tipo de tráfego, dependendo do comportamento estrutural do pavimento, deve-se selecionar tipos de ligante ou tipos de mistura asfáltica que atendam ao desempenho que se deseja. Gostaríamos que os pavimentos brasileiros fossem dimensionados para terem uma vida útil de longo prazo, acima de vinte anos. Infelizmente, nós não temos projetos, hoje, de pavimentos flexíveis com uma vida acima de dez anos", considerou o pesquisador da Coppe, Marcos Fritzen.

A parceria entre o TCMRJ e a Coppe iniciou-se no final do ano passado, firmando o compromisso do Tribunal de Contas carioca em garantir uma fiscalização cada vez mais eficaz e eficiente das obras que estão sendo feitas na nossa cidade.


Asfalto da Transbrasil está na mira do TCMRJ e da Coppe